terça-feira, 23 de junho de 2015

Quem diria...

Quem diria ...
Roubaste meus sentimentos e, meus versos;
Minhas noites e, meus silêncios;
Meus sorrisos e, meus ciúmes.
Quem diria, quê,
amar, não é se doar.
E sim,
deixar-se roubar.
 Bruno de Paula