Mas eu quero

Mas eu quero. Eu quero um amor todinho meu, 
não uma metade, nem alguns caquinhos,  mas todinho. 
Que eu possa chamar de meu, apertar, morder, beijar, bater. 
É meu, caramba! Ah... E eu quero surpresa, quero loucuras, 
quero bagunça, crise de ciúme, briguinhas que acabam em agarros, provas de amor. Eu quero me surpreender.
Até hoje, todos esses meus amores foram pré-definidos
 por uma lista de objetivos na vida, por um sonho bobo, 
por uma aposta. Agora eu quero me surpreender.
Mayara Freire