NÃO ME OLHES!

Não olhes para mim.
Ainda não acordei
a minha alma.
Não conheço pontualidades....
Apenas interrogações.
Está tudo suspenso
no meu Mar de escuridão.

Não me procures.
Estou refugiada atrás da porta
que guarda pessoas.
Dentro das gavetas
escondem-se Palavras sem voz.
Quando lhes tocamos
sabemos que não estamos sós.

Não contes o tempo para me ver.
O Tempo passa depressa
e eu faço horas
para não correr com Ele.
Faço compassos de silêncios
de Palavras insuportáveis.

Torço-as para fazer
jorrar a memória.
É assim que fotografo
e conto uma história.

Não te aproximes quando,
estendo as Palavras.
Elas mordem-me os lábios.
Ferem-me.
Caio em abismos distantes.
Há nevoeiro.
Ele nada tem.
Preciso de um astrolábio
para me orientar e encontrar a Paz.
Não sei se ela vem.

Não me sigas!
As Palavras desconhecidas
dão-me asas e Norte.
Voo e parto para a Morte.

Crio atalhos
no mar movediço.
No corrupio
ouço o que não dizes.

Morro no Mar de Letras
que me beija.
Não olhes para mim.
Já não estou aqui.

Autora: ANA PEREIRA 
© COPYRIGHT BY "SENTIMENTO EM POESIAS"
Todos os Direitos Reservados
conforme artigo (Lei 9610/98)
Cópias e publicações permitidas, 
desde que acompanhadas 
dos créditos ao autor.